Sexta, 12 de Julho de 2024 10:31
83993941578
Dólar comercial R$ 5,43 -0.187%
Euro R$ 5,92 +0.123%
Peso Argentino R$ 0,01 +0.215%
Bitcoin R$ 330.398,02 +0.067%
Bovespa 128.293,61 pontos +0.85%
Economia PREVIDÊNCIA

Servidores do INSS iniciam greve nacional por falta de acordo com o Governo Federal

A greve é uma resposta à insatisfação dos servidores com as propostas do governo para o reajuste salarial

11/07/2024 09h54 Atualizada há 4 horas
Por: Redação
Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Nesta quarta-feira (10), os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) deram início a uma greve nacional em decorrência da falta de acordo com o governo federal sobre um reajuste salarial para a categoria. A paralisação, convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Seguro Social e Previdência Social no Estado de São Paulo (SINSSP), afeta tanto os trabalhadores que atuam presencialmente nas agências quanto aqueles em home office.

Motivos da Greve

A greve é uma resposta à insatisfação dos servidores com as propostas do governo para o reajuste salarial. As negociações entre o SINSSP e o governo não resultaram em um acordo satisfatório, levando à decisão de paralisar as atividades. A paralisação pode impactar a análise e a concessão de benefícios como aposentadoria, pensões, e Benefício de Prestação Continuada (BPC). No entanto, a perícia médica e a análise de recursos e revisões de pensões e aposentadorias seguem funcionando normalmente.

Impactos da Greve

De acordo com a nota oficial do INSS, “não houve impacto no sistema e no atendimento do INSS” no primeiro dia de greve. O instituto destacou que, “mais de 100 serviços do INSS” podem ser realizados por meio da plataforma Meu INSS, disponível para celular e desktop, além da Central de Atendimento 135, que funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h. O INSS também afirmou que está estudando medidas de contingenciamento para minimizar qualquer possível impacto na população.

Comando de Greve e Futuras Ações

O SINSSP anunciou a instalação de um comando de greve, com a primeira reunião marcada para o dia 12 de julho. Esta reunião tem o objetivo de analisar os rumos do movimento e decidir sobre os próximos passos na luta por melhores condições e reajustes para a categoria.

Além da greve iniciada nesta quarta-feira, os servidores também se prepararam para uma nova paralisação por tempo indeterminado a partir de terça-feira, 16 de julho. Esta nova greve foi convocada pela Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) e visa pressionar o governo a atender às demandas da categoria.

Ações da Fenasps e Demandas dos Servidores

A Fenasps enviou um ofício à ministra de Gestão e Inovação, Esther Dweck, e ao presidente do INSS, Alessandro Stefanutto, informando que “a negociação teve poucos avanços” e que as propostas do governo não são suficientes para atender às demandas salariais da categoria. O ofício critica a prorrogação da carreira de 17 para 20 níveis e a criação de uma gratificação de atividade, afirmando que essas medidas são insuficientes frente às perdas salariais que superam 53% no último período.

A Fenasps também mencionou que, até o dia 31 de julho, o INSS precisa se adequar à Instrução Normativa 24 (IN24), que prevê mudanças nos programas de Gestão e Desempenho, o que poderá resultar em pressão maior para cumprimento de metas e a possibilidade de desconto de salário e abertura de Processos Administrativos Disciplinares (PAD) para os servidores que não cumprirem as metas estabelecidas.

Próximos Passos

A Fenasps didde que convocou todos os servidores a participar das assembleias estaduais para discutir os próximos passos do movimento e planejar as ações futuras em busca de uma solução justa para as demandas da categoria.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias